Avaliamos os fornecedores com base em testes e pesquisas rigorosos, mas também levamos em consideração seu feedback e nosso programa de afiliados com os fornecedores. Alguns fornecedores são de propriedade da nossa matriz.
Saiba mais
O vpnMentor foi criado em 2014 como um site independente que avalia serviços de VPN e cobre histórias relacionadas à privacidade. Hoje, nossa equipe de centenas de pesquisadores, redatores e editores de cibersegurança continua ajudando os leitores a lutar por sua liberdade online em parceria com a Kape Technologies PLC, que também é proprietária dos seguintes produtos: ExpressVPN, CyberGhost e Private Internet Access, os quais podem ser classificados e avaliados ​​neste site. As avaliações publicadas no vpnMentor são consideradas precisas na data de cada artigo e escritas de acordo com nossos rígidos padrões de avaliação que priorizam a análise independente, profissional e honesta do avaliador, levando em consideração as capacidades técnicas e qualidades do produto juntamente com seu valor comercial aos usuários. As classificações e avaliações que publicamos também podem levar em consideração a propriedade comum mencionada acima e as comissões de afiliados que ganhamos por compras efetuadas através de links em nosso site. Não avaliamos todos os provedores de VPN, e acreditamos que as informações sejam precisas na data de cada artigo.
Divulgação de publicidade

O vpnMentor foi criado em 2014 como um site independente que avalia serviços de VPN e cobre histórias relacionadas à privacidade. Hoje, nossa equipe de centenas de pesquisadores, redatores e editores de cibersegurança continua ajudando os leitores a lutar por sua liberdade online em parceria com a Kape Technologies PLC, que também é proprietária dos seguintes produtos: ExpressVPN, CyberGhost e Private Internet Access, os quais podem ser classificados e avaliados ​​neste site. As avaliações publicadas no vpnMentor são consideradas precisas na data de cada artigo e escritas de acordo com nossos rígidos padrões de avaliação que priorizam a análise independente, profissional e honesta do avaliador, levando em consideração as capacidades técnicas e qualidades do produto juntamente com seu valor comercial aos usuários. As classificações e avaliações que publicamos também podem levar em consideração a propriedade comum mencionada acima e as comissões de afiliados que ganhamos por compras efetuadas através de links em nosso site. Não avaliamos todos os provedores de VPN, e acreditamos que as informações sejam precisas na data de cada artigo.

Por que VPNs são ilegais na China e como dar a volta a isso

Matthew Amos Editor Sênior

Recentemente, as VPNs foram banidas na China e agora são consideradas um crime pelo Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação da China (MIIT). Isso surge como um obstáculo para os residentes da China que estiveram usando VPNs como um método para acessar vários sites bloqueados como Facebook, Twitter e YouTube.

Entenda o que está acontecendo

Uma vez que as VPNs estão sujeitas a interferências na conexão de Internet do país, os provedores de VPN precisam ser autorizados. O MIIT anunciou novas regras para as VPNs da China e regulações de cabo que serão implementadas no dia 1º de fevereiro de 2018.

Em vez de se concentrar nas autoridades que trabalham para empresas multinacionais, os administradores chineses estão se concentrando em empresas que fornecem serviços de VPN para cidadãos da China. Outra restrição recente para os usuários de VPN na China aconteceu em março de 2016.

Muitas publicações na China, como o South China Morning Post, e outras, como o Washington Post, implicaram que vários provedores legais de VPNs estão presentes na China. Esses provedores estão associados a empresas estatais que, principalmente, permitem que bancos e escritórios de advocacia – que paguem taxas substanciais – ignorem legalmente o Grande Firewall, também conhecido como o maior sistema de censura sofisticado do país.

O governo ordenou três das operadoras de telefone estatais do país, que são a China Mobile (860 milhões), China Unicom (268 milhões) e a China Telecom (227 milhões), para implementar uma proibição para as empresas que operam no continente sem uma locação linha de acesso à Web.

Regulamentos e desafios

Embora a China controle a maior parte da Internet disponível para os seus cidadãos, o uso de uma VPN interrompe a sua missão de realizar "soberania cibernética" dentro de suas fronteiras. A razão por trás do governo da China bloquear sites de rede tem a ver com o mais alto nível de lutas políticas e várias partes usando a Internet como um campo de batalha.

Se o Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação da China lançar com sucesso uma repressão na Internet para fechar todas as lacunas, os visitantes não poderão acessar sites comuns bloqueados pelo governo. Junto com redes sociais como Facebook e Twitter, sites de notícias internacionais como The New York Times e Wall Street Journal também serão bloqueados pelo firewall da China.

As VPNs são necessárias para fazer negócios na China, mas a sua proibição provavelmente afetará o desempenho da empresa e dos funcionários. Exemplos de indivíduos que são severamente afetados pela repressão de VPN em andamento incluem um pesquisador ambiental usando o Google Docs para colaboração e um curador baseado em Xangai trabalhando com artistas no exterior.

O que isso significa no contexto global

Na economia globalizada da China, as VPNs desempenham um papel importante e estão entre as ferramentas críticas para comunicações seguras e conectividade global. Também são usadas por empresas estrangeiras da China para proteger os dados da empresa e/ou para se comunicar com a sede da empresa no exterior.

Uma vez que o governo chinês assegurar que as lojas de aplicativos Apple e Android removam os aplicativos de VPN, a sua ausência pode não perturba apenas a economia da nação. Além disso, afeta a quantidade de usuários restantes e pode também afetar acadêmicos, desenvolvedores de software e negócios estrangeiros.

Devido ao Grande Firewall, os endereços IP chineses têm dificuldades em acessar jornais estrangeiros, e os métodos de comunicação com as universidades estrangeiras são abaixo do adequado. Tudo isso fica no caminho das comunicações globais da China.

Diferentes tipos de sites internacionais estão bloqueados pelo governo da China. Eles incluem sites de redes sociais, aplicativos, mecanismos de busca, portais de mídia, ferramentas de trabalho e sites pornôs. Uma vez que quase todos os sites importantes estão bloqueados na China, as VPNs têm um papel vital nos endereços de IP chineses que acessam sites mundialmente populares, tais como Google+, Wikipédia e muitos outros.

Seguindo em frente

Mudar para um novo provedor de VPN que não esteja bloqueado ou mudar para um endereço de IP diferente que não esteja bloqueado também pode ajudar a evitar o banimento das VPNs. Da mesma forma, executar um servidor de VPN por um indivíduo pode fornecer um endereço de IP VPN único que não seja bloqueado pelo governo. Os provedores de serviço de VPN permitem que as pessoas alterem seus números de porta. Há dois tipos principais, porta 80 TCP e porta 443 TCP. Ao usar o TOR, que é a sigla para The Onion Router, você pode navegar na Internet de forma anônima.

Resumindo, as VPNs são ilegais na China, mas aqui no vpnMentor, acreditamos na neutralidade da Internet, bem como a maioria dos nossos provedores de VPN. Se você estiver viajando para a china, compre uma VPN que se sabe que funciona naquela país antes de viajar e pronto. Mas, não se preocupe se você já estiver na China. Existem certos métodos que podem ser aplicados para superar os bloqueios de VPN e aqui está uma lista das melhores VPNs que funcionam na China que você pode usar.

Posição
Provedor
Nossa pontuação
Desconto
Visitar site
1
medal
9.9 /10
9.9 Nossa pontuação
Economize 49%!
2
9.7 /10
9.7 Nossa pontuação
Economize 59%!
3
9.5 /10
9.5 Nossa pontuação
Economize 85%!

Quais são os seus pensamentos sobre as VPNs serem ilegais e as formas de contornar isso?

Alerta de privacidade!

Seus dados estão sendo expostos aos sites que você visita!

Seu endereço IP:

Sua localização:

Seu provedor de Internet:

As informações acima podem ser usadas para rastreá-lo, direcionar anúncios para você e monitorar o que você faz online.

As VPNs podem ajudá-lo a ocultar essas informações dos sites para que você esteja protegido o tempo todo. Recomendamos a ExpressVPN — a VPN nº 1 entre mais de 350 provedores que testamos. Ela possui criptografia de nível militar e recursos de privacidade que vão garantir sua segurança digital, e mais — ela está oferecendo atualmente 49% de desconto.

Visite a ExpressVPN

Avaliamos os fornecedores com base em testes e pesquisas rigorosos, mas também levamos em consideração seu feedback e nosso programa de afiliados com os fornecedores. Alguns fornecedores são de propriedade da nossa matriz.
Saiba mais
O vpnMentor foi criado em 2014 como um site independente que avalia serviços de VPN e cobre histórias relacionadas à privacidade. Hoje, nossa equipe de centenas de pesquisadores, redatores e editores de cibersegurança continua ajudando os leitores a lutar por sua liberdade online em parceria com a Kape Technologies PLC, que também é proprietária dos seguintes produtos: ExpressVPN, CyberGhost e Private Internet Access, os quais podem ser classificados e avaliados ​​neste site. As avaliações publicadas no vpnMentor são consideradas precisas na data de cada artigo e escritas de acordo com nossos rígidos padrões de avaliação que priorizam a análise independente, profissional e honesta do avaliador, levando em consideração as capacidades técnicas e qualidades do produto juntamente com seu valor comercial aos usuários. As classificações e avaliações que publicamos também podem levar em consideração a propriedade comum mencionada acima e as comissões de afiliados que ganhamos por compras efetuadas através de links em nosso site. Não avaliamos todos os provedores de VPN, e acreditamos que as informações sejam precisas na data de cada artigo.

Sobre o autor

Matthew Amos é um entusiasta de tecnologia de longa data que atua em Boise, Idaho. Anteriormente, ele trabalhou como redator-chefe de marketing da University of Montana Western. Agora, ele trabalha como freelancer, principalmente criando conteúdo sobre tecnologia e cibersegurança.

Gostou desse artigo? Avalie!
Eu detestei Eu não gostei Achei razoável Muito bom! Eu adorei!
de 10 - votado por usuários
Obrigado pelo seu feedback.